fbpx

Novos corretores de imóveis de Campina Grande exaltam gestão do Creci-PB

12/11/2020

As sessões solenes de entrega de carteiras e certificados a novos corretores e empresas imobiliárias têm em comum e ponto alto, o juramento prestado por um profissional em nome dos demais e a entrega simbólica dos referidos documentos a representantes pessoas físicas dos sexos masculino e feminino e jurídica. Ontem (quarta-feira) à tarde no auditório do Slaviero Hotel, em Campina Grande, não foi diferente.

Ao prestar juramento, o jornalista e agora corretor de imóveis Celino Neto compartilhou com os presentes a felicidade pelo início de uma nova jornada, onde pretende ser bem sucedido e reputou o desprendimento, como primeiro sinal de parceria.

Maestria e idoneidade

“Quero que vocês entendam que aqui têm um parceiro também, um amigo. Através das minhas outras profissões eu serei sempre mais um componente desse exército, Rômulo, do exército que você conduz com tanta maestria e idoneidade, para defender exatamente os interesses da classe no que for possível”, afirmou, dirigindo-se ao presidente do Creci-PB, Rômulo Soares, que compunha a Mesa de Honra, acompanhado de diretores e do presidente do Sindimóveis-PB, Garibaldi Porto.

Celino Neto lembrou ainda que o corretor de imóveis até muito pouco tempo era visto como praticamente um inimigo do outro e a nova ordem sócioeconômica a que ele fez referência não comporta mais esse tipo de comportamento: “Precisamos sim trabalhar em parceria, o seu cliente pode ser o meu cliente em uma outra situação e a gente pode ganhar junto a depender da disponibilidade e do interesse de cada um”, concluiu.

Organização e representação

Ao receber sua carteira em nome das demais corretoras de imóveis, Meire Sousa Cruz externou o orgulho e satisfação em fazer parte de uma categoria profissional regida por um Órgão tão organizado e que representa a categoria tão bem. Ela também defendeu a  mudança de pensamento do profissional em entender que um precisa do outro para se desenvolver bem, pois é a união que faz a força.

“Eu sempre me deparei com a frase que nós somos a média das cinco pessoas com as quais nós mais convivemos, então é interessante sabermos com quem vamos nos associar, é interessante a gente saber quem é que a gente vai ter como referência”, declarou.

E agradeceu a Deus por ter-lhe aberto essa porta, porque cada um em algum momento se deparou com alguém que quis compartilhar aquilo que já tinha vivido. “Normalmente quando alguém se torna corretor de imóveis já se deparou com alguém que iniciou nessa profissão e por entender que essa profissão é valorosa o incentivou de alguma forma a começar”, finalizou.



Voltar